Após internação, os cuidados com as crianças

Crianças que precisam de internação em hospitais trazem sempre uma enorme preocupação para os pais.

E após esse período surgem outras apreensões quando ela retorna para casa. Como cuidar? O que fazer para que a recuperação seja total? O que evitar para não atrapalhar o fim do tratamento?

“Primeiro é preciso solicitar o Resumo da Internação, um documento onde constam todas as informações importantes sobre o paciente e que deve ser guardado porque é essencial para a história dele. Ali estarão também as recomendações da equipe de internação para o complemento do tratamento, porque a alta não quer dizer, necessariamente, que o paciente esteja curado, mas, sim, que está melhor e deve continuar a terapia”, informa o pediatra Fernando Lyra, membro do Departamento de Cuidados Domiciliares da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP).

A maioria das crianças que precisam de internação tem até 5 anos, conta o pediatra, e os cuidados variam. “Quando a criança passou por cirurgia, os familiares receberão treinamento para fazer os curativos em casa e também para a utilização de equipamentos. Se for um caso de doença, a informação aos pais será sobre os medicamentos que devem ser ministrados”, afirma Fernando.

Também é preciso estar ciente de que a criança pode estar fragilizada fisicamente, portanto será imprescindível restringir visitas que apresentem alguma enfermidade. “Pessoas com problemas respiratórios, febre, resfriado ou qualquer processo infeccioso não devem visitar a criança”, adverte o pediatra.

Importante também é saber quando retornar ao médico. “Febre, volta da dor ou dor exacerbada, vermelhidão em torno da ferida e secreção, em caso de cirurgia, são chamados de sinais de alerta e a criança precisa ser examinada por quem a atendeu ou ser encaminhada ao posto médico. Mas evite procurar atendimento em pronto-socorro desnecessariamente”.

E não é só o físico da criança que sofre com uma internação. “Observamos que muitas crianças ficam tristes, não comem, ficam quietas e não querem brincar quando internadas. Após a alta, o paciente pode ter uma rápida recuperação, mas os pais podem ser mais afetados com os problemas de saúde de seus filhos e também apresentar sinais de depressão, principalmente quando a criança esteve internada por doenças graves e necessitou de tratamento em UTI”, explica.

Nesses casos, tanto pacientes como familiares devem procurar ajuda especializada, pois os pais passam a ter uma percepção da criança mais frágil do que ela é na realidade, e isso vai comprometer a autoimagem que o pequeno tem dele mesmo.

“É necessário perceber que o período traumático acabou e mostrar para o paciente que ele está de volta ao cotidiano, que o pior já passou. Se possível, a criança deve voltar à escola, à convivência com os amigos e ao lazer”, aconselha o médico.


Deixe seu comentário

Blog MamãeBox

Graças ao Clube MamãeBox, esse problema de comprar tudo sem necessidade está resolvido. Gastar muito dinheiro com produtos que podem não funcionar com você, com produtos desnecessários não irá mais acontecer se tornando sócio do clube e mais, todo mês você receberá uma caixinha surpresa MamãeBox com muito carinho na comodidade da sua casa.

Cadastre-se e Ganhe!

Ganhe agora mesmo 10% de desconto no Clube MamãeBox se cadastrando na nossa newsletter. Aproveite!
Nome
E-mail
Respeitamos sua privacidade e somos contra a prática de spam.