Maternidade in Box – Na onda dos protestos, uma maternidade consciente

Em meio à onda de protesto (que por sinal teve um resultado positivo, afinal da última terça senadores trabalham até tarde da noite para aproar ou reprovar algumas das reindicações do povo) não tem como a gente falar de outra coisa.

Cada um protesta pelas coisas que lhe fazem falta, isso é natural do ser humano e da sociedade em que vivemos. E por que nós, mães, não podemos protestar também?

Tantas das coisas faladas nesses últimos dias têm relação direta com nossos filhos. Saúde, educação, segurança e transporte de qualidade são pautas que abrangem todos nós.  Mas é preciso ser mais específico. Bradar por aí que queremos mais saúde, não indica exatamente onde está o problema.

Existem muitas campanhas legais que envolvem diretamente mães e pais engajados. E que, podem parecer pequenas, mas fazem toda a diferença. Um exemplo que pode parecer fútil é a campanha por mais banheiros familiares e trocadores nos banheiros masculinos em lugares públicos.  Num primeiro momento parece estranho, ok?! Mas pense: se somos a primeira a exigir de nossos maridos a paternidade consciente e presente como não apoiar que eles saiam com as crianças e não passem apertos na hora de levar a filha no banheiro ou de trocar as fraldas dos bebês?!

E temos também as questões sérias, como a licença maternidade x amamentação exclusiva. Parece um pouco imbecil da parte do governo que incentive a amamentação exclusiva até os seis meses, mas que a licença maternidade dure quatro. Outra questão séria é a falta de leito em UTI’s Neonatais, ou a necessidade de se correr atrás de um juiz para conseguir um mandato e garantir que seu filho não morra esperando um leito. Ou pior, ver seu filho morrer porque é um feriado e não existe um juiz de plantão, realmente de plantão.

Se engajar nessas causas é praticar uma maternidade consciente, pensando não só pensando na alimentação saudável dos pequenos, mas garantindo uma alimentação da alma e um crescimento adequado para os filhos com tudo que eles têm direito.

E foi pensando nisso, que um coletivo de mães se reuniu e criou o grupo Protesto Materno. Porque são muitas demandas. Muitas coisas que precisamos e devemos lutar para que os bebês de hoje, sejam jovens politicamente ativos.  Afinal, o exemplo vem de casa e nada melhor para os filhos do que verem seus pais lutando por um país melhor!

Se você quiser se engajar, procure a fanpage Protesto Materno e veja quais as demandas já existentes e de a sua sugestão também! O futuro depende do nosso agora! E entendemos bem mais do que apenas trocar fraldas!

Clube MamãeBox e Luísa Aranha do Blog Mamãe Neura


Deixe seu comentário