Atividade física x Riscos para o feto

A prática de exercício físico é comprovadamente benéfica para o bom desenvolvimento do feto, porém se realizada de forma incorreta e sem orientação pode acarretar riscos. Deve-se ficar atenta a situações onde a intensidade do treino é muito alta, pois pode criar um estado de hipóxia para o feto, em situações em que haja risco de trauma abdominal e hipertermia da gestante. Isso tudo pode gerar estresse fetal, restrição de crescimento intrauterino e prematuridade.

Alguns estudos apresentam evidências de que a prática de atividade física durante a gravidez, em condições de intensidade moderada, pode aumentar o peso do bebê ao nascer. Já os exercícios mais intensos e com maior frequência, podem resultar em crianças com baixo peso.

A temperatura elevada também é prejudicial, temperaturas acima de 39ºC podem resultar em defeitos no fechamento do tubo neural, o que ocorre por volta do 25º dia após a concepção. Embora os estudos apresentados na literatura não apresentem resultados significativos quanto a esta situação, o mais indicado é evitar situações em que resultem a hipertermia da grávida, durante o primeiro trimestre de gravidez.

Já no período de amamentação, os exercícios leves e moderados não apresentam alterações na quantidade ou composição do leite materno, claro, uma vez que a ingesta calórica e hídrica da mamãe se mantenha nos níveis de regularidade. Sendo assim, os exercícios neste período não afetam o crescimento e desenvolvimento do bebê.

Antes de ingressar em qualquer programa de exercícios físicos, deve-se ter em mãos um atestado médico liberando para a prática e levar em consideração alguns pontos importantes que podem apontar uma contraindicação à prática. Os treinos são contraindicados em mulheres com as seguintes complicações:

  • Doença miocárdica descompensada
  • Insuficiência cardíaca congestiva
  • Tromboflebite
  • Embolia pulmonar recente
  • Doença infecciosa aguda
  • Risco de parto prematuro
  • Sangramento uterino
  • Isoimunização grave
  • Doença hipertensiva descompensada
  • Suspeita de estresse fetal
  • Paciente sem acompanhamento pré-natal
  • Em alguns casos, as contraindicações podem ser relativas, como é o caso da:
  • Hipertensão essencial
  • Anemia
  • Doenças tireoidianas
  • Diabetes mellitus descompensada
  • Obesidade mórbida
  • Histórico de sedentarismo extremo

Se você, gestante, não apresentar nenhuma dessas condições fique tranquila quanto a prática. Apenas respeite e considere as situações nas quais se deve evitar para que o crescimento do seu bebê não se prejudique, e bom treino!

Kamila Mafra

Profissional de Educação Física e Consultora da Curves

CREF 015534-G/SC

 


Deixe seu comentário