Exposição interativa e gratuita mostra o poder de contar histórias para os filhos

Gerar um filho, dar à luz, adotar, amamentar, acalentar, contar histórias, são algumas das muitas maneiras das mães dizerem “eu te amo”. Instantes especiais que deveriam ser eternizados.

Este ano, a Exposição Retratos de Mãe da fotógrafa Andréa Leal, com cocriação da jornalista Cláudia Bettini, resolveu guardar para sempre e valorizar esse momento em que uma mãe conta histórias para seu filho, canta canções, coloca no colo, embala…

A mostra pretende para resgatar esse instante de conexão, a dedicação de tempo e atenção, esse olhar amoroso que não só estimula a leitura, a cultura, o cognitivo, mas principalmente os sentimentos que unem mães e filhos e que sempre são revividos na memória afetiva.

Este ano, a Exposição estará em cartaz no mês de maio em mostras simultâneas no Recife, no rooftop do Shopping Tacaruna e em São Paulo, na galeria Studio Trend, em Pinheiros. No Tacaruna, a abertura acontece às 17h do deste domingo (05/05), com contação de história especial de Carol  Levy e visitação todos os domingos do mês de maio, sempre a partir da 17h, fazendo parte da programação do mês das mães elaborada e produzida pelo shopping junto ao Blog Corujices.com.

Com muita ludicidade, as fotografias receberam a intervenção da artista plástica Luciana Maia, que desenvolveu um trabalho delicado e exclusivo, com intervenções nas fotografias capazes de transportar cada família  retratada para o universo mágico de seus contos preferidos, reproduzindo um cenário cheio de cores e significados que até então só existia na imaginação dos retratados.

Entre as personagens, mães que encontraram nos textos ou canções maneiras de se comunicarem ou estimularem filhos autistas, com microcefalia, ou para tornar especial os momentos de presença depois da volta ao mercado de trabalho, ou para explicar assuntos nem sempre fáceis, como a diversidade familiar. Vivências que compartilham em depoimentos emocionantes que poderão ser vistos na exposição interativa, por meio de um aplicativo de realidade aumentada, cada vez que o celular for posicionado em frente à tela da personagem.

Uma mostra que traz  personagens do mundo real, parecidas com tantas outras mães e que provam que a vida não é um conto de fadas, mas tem um final feliz a cada dia, a cada beijo de boa noite, a cada vivência somada na história que elas constroem ao lado de seus filhos, cheias de obstáculos, dificuldades, lágrimas, mas também repletas de força, amor, dedicação e vontade de sorrir e ser feliz.

IMPORTÂNCIA DE LER E CONTAR HISTÓRIAS PARA AS CRIANÇAS

Não é à toa que chamamos de “língua materna” a primeira língua que uma criança aprende e que geralmente corresponde ao grupo étnico-linguístico com que o indivíduo se identifica culturalmente. A expressão vem da época em que as mães eram as únicas a educar os seus filhos na primeira infância, fazendo com que a língua que ela falava fosse a primeira a ser assimilada pela criança. O tempo passou, a escola tomou sua devida importância na educação infantil, a figura paterna passou a ter maior participação na vida dos filhos, mas a presença e a importância da mãe continuam inabaláveis nesta construção.  Segundo a última pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, a figura da mãe é muito importante no desenvolvimento do gosto pela leitura, especialmente quando comparada à influência do pai ou de algum familiar.

Para Maurice Sendack, famoso escritor norte-americano, as pessoas que tiverem na infância a experiência de viver esses momentos de colo enquanto ouviam histórias, sempre associarão a experiência de leitura a esse contato. Segundo ele, essa é uma ligação que dura a vida inteira. A leitura é um elemento fundamental na construção de vínculos. As palavras oferecem colo e contorno, estabelecem limites e dão voo à imaginação.  A voz da mãe é a primeira que apresenta o mundo, numa linguagem carregada de afeto que contam histórias reais ou inventadas, dos livros ou da vida, muitas vezes ainda na gestação, durante a amamentação, no berço ou na cama antes de dormir, dentro do carro em uma longa viagem, nos momentos de banho, de troca de roupas ou mesmo nas férias deitados na rede. Não existe hora certa, apenas o desejo genuíno de estar perto, de compartilhar, de oferecer um presente que permanece na memória e no coração para sempre. Uma experiência importante não só para as crianças, mas também para as mães, que descobrem na linguagem um caminho de conexão com seus filhos.

Os livros, as histórias e as cantigas são alimento para o imaginário dos adultos e contribuem para que conversem não apenas com seus filhos, mas também com a criança que um dia foram. E esse diálogo talvez seja um dos grandes presentes que a maternidade nos oferece. Neste dia das mães, desejamos que todas as mulheres e as pessoas que escolheram acompanhá-las na jornada da maternidade tenham a oportunidade de viver experiências de leitura significativas com seus filhos, suas crianças. Que os livros e as palavras estejam presentes na vida da família para sempre, atravessando as gerações.

Nos seus anos formativos, as crianças desenvolvem atitudes que as influenciarão mais tarde e precisam ter uma base sólida para um relacionamento achegado, onde não faltem confiança, respeito mútuo e compreensão. A leitura pode ser muito importante nesse processo. Toda vez que uma mãe reserva tempo para segurar o filho no colo e ler para ele, a mensagem que passam é clara: “Eu amo você.” De acordo com o relatório Becoming a Nation of Readers, “ler para os filhos, especialmente nos anos pré-escolares, é a atividade mais importante para suprir-lhes o conhecimento necessário que fará deles bons leitores”. Certa vez uma mãe levou seu filho prodígio para Einsten e perguntou como poderia aperfeiçoar seu conhecimento da matemática. Einstein disse: “Tente contar a ele algumas histórias”.

A mãe insistiu e Einstein disse: “Se se você quiser que ele seja inteligente conte mais histórias e conte mais histórias ainda se quiser que ele seja sábio”. Um exemplo fascinante que coloca o pensar imaginativo no lugar mais alto do conhecimento, lembrando que o conhecimento está limitado naquilo que sabemos no presente, enquanto que a imaginação estimula o progresso. Grandes invenções requerem uma mente imaginativa.

“Acreditamos que quando uma mãe lê para seu filho ela está criando uma pessoa não só mais preparada, mas também mais feliz, mais amada e capaz de olhar para o mundo com olhos amorosos também. Como fotógrafa de família, eu já havia registrado muitos momentos importantes como o nascimento, os primeiros dias, a amamentação, os primeiros aniversários, mas me faltava eternizar esse momento tão simbólico e importante. E, como dizia Mário Quintana: “Os livros não mudam o mundo. Os livros mudam as pessoas. As pessoas mudam o mundo. Esperamos contribuir para isto também”, diz Andréa Leal.

Pra Carol Levy, esse vínculo em casa se forma quando você fica com seu filho agarradinho, diante de um livro aberto, contando histórias. Depois de escolher essa história especial pra vocês, eleja um cantinho aconchegante e crie um ritual: um lugar, um horário (que pode ser antes de dormir, depois do almoço… ) uma música, um som, um assobio pra marcar o início dessa aventura. De uma forma muito de vocês, muito especial, vocês estão construindo memórias afetivas e esses vínculos pra vida, explica.

Carol garante que os pais ou cuidadores não precisam de muita coisa pra contar histórias para seus filhos. Precisam sim escolher uma boa história, gostar da história ou não vão conseguir contar com prazer. Segundo ela, o grande segredo da narrativa é ter prazer em contar. “Quando a gente sente emoção, a gente consegue transmitir isso quando lê”, ensina. Mas ela não indica uma lista, porque acredita que a escolha é pessoal. “Tem muitos livros bons pra escolher. Às vezes, é um livro super e indicado, mas você não gosta”, acrescenta. “Através das páginas coloridas, das princesas, dos monstros e dragões, nesse mundo lindo e mágico que as crianças gostam de estar, são narradas situações da vida real por meio de metáforas.

A gente passa por desafios, pensa que não vai conseguir e aí vem alguém pra ajudar, a gente supera. Tudo isso é narrado nas histórias. Na história a gente pode ser quem a gente quiser. As histórias apresentam formas de solucionar os problemas. Por isso, muitas vezes as crianças pedem para que a gente leia novamente. É aí que ela está fazendo sua construção emocional, a resolução do problema. E, a cada nova leitura ela percebe algo que não tinha percebido antes”, garante.

Serviço no Recife 

17h – Abertura da programação do mês das mães Recanto da Mamãe, no rofftop do Shopping Tacaruna ( com bate-papo com o obstetra Thiago Saraiva sobre parto e puerpério, com a participação das doulas Mariana Carvalheira e Luiz Bortollozo, e mediação da jornalista Cláudia Bettini)

17h40 – Abertura da Exposição Retratos de Mãe, da fotógrafa Andrea Leal, com contação de estória especial de Carol Levy
18h – Show de Isadora Canto com participação especial de Mariane Bigio
17h às 19h – Espaço sensorial para bebês com Casa das Asas

A programação é gratuita e continua todos os domingos de maio.

Serviço em São Paulo

Exposição Retratos de Mãe 

Local: Galeria Trend – R. Costa Carvalho, 213, Alto de Pinheiros, São Paulo

Lançamento/Vernissage com contação de histórias de Carol Levy
Dia:  11 de maio Horário: 16h
A exposição tem entrada gratuita e fica em cartaz até o dia 31 de maio


Deixe seu comentário