Obesidade infantil X Covid-19: doença afeta crianças e adolescentes

A pandemia do coronavírus desestabilizou a rotina de grande parte da população, não só no Brasil, mas em todo o mundo. Sabemos que idosos, pessoas com diabetes e hipertensas fazem parte do grupo de risco, porém, há algumas dúvidas entre os pacientes que sofrem com obesidade, a obesidade infantil, por apresentarem algumas complicações que envolvem os fatores de risco para a contaminação do Covid-19, como a diabete e a hipertensão, e isso inclui também crianças e adolescentes.

“O excesso de peso tem relação com outras doenças frequentes nos pacientes que estão no grupo de risco do coronavírus, são elas: a diabetes mellitus e hipertensão arterial, e não podemos esquecer que a obesidade atinge cerca de 100 milhões de crianças ao redor do mundo”, aponta  a Dra. Thatiane Mahet, sobre a obesidade infantil.

Confira algumas orientações da especialista sobre a obesidade infantil e a Covid-19:

A obesidade grave, associada a comorbidades tem correlação com diabetes mellitus e hipertensão arterial. Recomenda-se maior rigor nas medidas de prevenção contra a Covid-19 em pacientes com obesidade grave.  Além de que, a obesidade pode dificultar a realização de exames de imagem, a respiração, intubação traqueal e o cuidado de enfermagem, aumentando assim, o risco de complicações por infecções respiratórias, como é o caso do coronavírus. 

As crianças estão sofrendo grande impacto com a pandemia do coronavírus, o isolamento social além de mexer com a rotina deles, desestabilizou também o emocional e a alimentação dos pequenos, por isso, os pais devem ter um cuidado ainda maior com alimentação das crianças dentro de casa. Mantenha orientações nutricionais e limite a compra de alimentos industrializados como: batata frita, refrigerante, pizza, biscoitos e sorvete. Uma ótima opção é deixar refeições prontas ou pequenos lanches saudáveis para eles terem opções quando a fome bater. 

A restrição das tarefas presenciais das crianças, como ir à escola, passear no parque, ou ir até a casa de um amigo, são alguns dos exemplos de atividades que não estão sendo possível realizar durante a quarentena. Com mais tempo em casa, as crianças e os adultos tendem a comer mais, o que é extremamente perigoso numa casa onde há uma criança obesa. Os pais devem criar uma rotina para a criança que vise prevenir escapes em seu dia que sejam  preenchidos com a comida, e não esquecer de fazer as refeições nos horários certos, crie horários para café da manhã, almoço e jantar. 

O tempo em casa pode fazer com que as crianças sintam a necessidade de abdicar de suas tarefas. Por isso, defina horários para o uso saudável das telas, evitando ultrapassar os limites e deixe claro que o momento não é de férias e sim de uma situação momentânea, na qual as atividades cotidianas devem ser cumpridas.   É essencial que as crianças e adolescentes tenham espaço e liberdade para expressarem suas dúvidas e medos e, caso persista alguma, os pais devem procurar alguém da equipe médica, como o pediatra da criança.

Sobre a Dra. Thatiane Mahet 

Renomada médica pediatra, Thatiane é formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, pós graduada em alergia e imunologia infantil pela UFRJ, pós graduada em Nutrição Infantil pela Boston University School of Medicine e Membro da American Academy of  Pediatrics – EUA.

No portal www.ograndecursodobebe.com.br, a médica ministra cursos online acerca do universo dos bebês, desde a gestação até a criança completar dois anos de idade.

Acompanhe o @mamaebox também no www.instagram.com/mamaebox


Deixe seu comentário