Quando o coraçãozinho dói, Sempre Materna

Quando o pediatra pede para levar o pequeno ao cardiologista, o medo aparece. O que será que aconteceu? Como está o coraçãozinho do meu bebê? Para acalmar o coração das mamães, conversamos com o cardiologista Dr. Américo Tângari Jr.

Quando é necessário levar o pequeno ao cardiologista?

Somente quando o pediatra identificar alguma anomalia. Fora isso, toda criança deve ter o acompanhamento do especialista, de seu nascimento até parte da adolescência.

Quais os problemas cardiovasculares infantis mais comuns?

O problema cardiológico mais comum na infância é o sopro, mas na maioria dos casos não tem nenhum significado clínico. São inocentes. No entanto, quando o sopro não é inocente, recomenda-se investigar as possíveis causas: cardiopatica congênita ou febre reumática, que acomete as crianças logo após amigdalites (infecções na garganta), pois a infecção pode acarretar problemas no coração, principalmente nas válvulas cardíacas – 3% das crianças que tiveram febre reumática, desenvolvem problemas no coração.

Quais deles podem ser detectados em bebês antes dos dois anos de idade?

Algumas doenças congênitas, como o coração com ventrículo único, que pode ser tratado logo após o nascimento.

Algum problema cardiovascular pode ser detectado ainda na gravidez? Qual?

Sim. Problemas de comunicação entre as cavidades do coração e alterações anatômicas podem ser detectados com ecocardiograma fetal.

Como a obesidade infantil afeta o coração e quais os problemas que podem surgir em decorrência disto na adolescência ou na idade adulta?

A obesidade infantil é fator de risco, pois ocasiona hipertensão arterial e afeta o coração como um todo. O aumento das taxas de colesterol e triglicerídeos desde a infância pode ocasionar a arterosclerose (placas de gorduras nos vasos) nas coronárias e vasos sanguíneos em geral. Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), cerca de 15% das crianças e 8% dos adolescentes são obesos. E oito em cada dez continuam a ter excesso de peso na fase adulta.

Quais as melhores atividades físicas para as crianças?

As crianças devem ser incentivadas a apreciar a atividade esportiva, associando-a à diversão. Por isso, as atividades físicas recomendadas são aquelas praticadas em grupo: futebol, natação, vôlei, basquete e jogos recreativos que necessitem da movimentação corporal (pega-pega, esconde-esconde, etc).

Por Sempre Materna


Deixe seu comentário