Semana Mundial de Aleitamento Materno – SMAM

A Semana Mundial de Aleitamento Materno faz parte de uma história mundial focada na Sobrevivência, Proteção e Desenvolvimento da Criança.

Desde sua criação em 1948 que a Organização Mundial de Saúde – OMS tem entre suas ações aquelas voltadas a saúde da criança, devido a grande preocupação com a mortalidade infantil. Em 1990, de um encontro organizado pela OMS e UNICEF resultou um documento adotado por organizações governamentais e não governamentais, assim como, por defensores da amamentação de vários países, entre eles o Brasil.

O documento chamado “Declaração de Innocenti” apresentou quatro objetivos operacionais:

• Estabelecer um comitê nacional de coordenação da amamentação;
• Implementar os “10 passos para o sucesso da amamentação” em todas as maternidades;
• Implementar o Código Internacional de Comercialização dos Substitutos do Leite Materno e todas as resoluções relevantes da Assembléia Mundial de Saúde;
• Adotar legislação que proteja a mulher que amamenta no trabalho.

Com o objetivo de seguir os compromissos assumidos pelos países com a assinatura do documento, foi fundada em 1991 a Aliança Mundial de Ação pró-Amamentação – WABA. Essa Organização criou no ano de 1992 a Semana Mundial de Aleitamento Materno, para promover as metas da “Declaração de Innocenti”.

A Semana Mundial é considerada como veículo para promoção da amamentação. Ocorre em 120 Países e, oficialmente, é celebrada de 1 a 7 de agosto. A WABA define, a cada ano, o tema a ser trabalhado na Semana, lançando materiais que são traduzidos em 14 idiomas. Entretanto, a data e o tema podem ser adaptados em cada País a fim de que seja obtido mais e melhores resultados do evento.

No Brasil, o Ministério da Saúde coordena a Semana Mundial de Aleitamento Materno desde 1999. Sendo responsável pela adaptação do tema para o nosso País e elaboração e distribuição de cartaz e folder. Tem o apoio de Organismos Internacionais, Secretarias de Saúde Estaduais e Municipais, Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, Hospitais Amigos da Criança, Sociedades de Classe e ONGs.

semana mundial do aleitamento materno

Semana Mundial da Amamentação: o leite da mãe é alimento ideal para todo bebê

Consulte sobre a SMAM no site da WABA

A mulher se prepara para amamentar ao mesmo tempo em que se prepara para a maternidade. A amamentação é um dos cuidados mais importantes para a mulher e seu bebê. Ela é muito influenciada pela condição emocional da mulher e pela sociedade em que ela vive. Por isso o apoio do companheiro, da família, dos profissionais de saúde e da sociedade é fundamental para que a amamentação ocorra sem complicações.

É importante que a futura mãe busque informações e também converse sobre amamentação com outras mulheres e com profissionais. O leite da mãe é a alimentação ideal para todas as crianças. Por sua composição de nutrientes, o leite materno é considerado um alimento completo e suficiente para garantir o crescimento e desenvolvimento saudável do bebê durante os seis primeiros meses, Após esse período, a amamentação deve continuar até os dois anos mais, complementada com alimentos saudáveis.

É um alimento de fácil e rápida digestão, completamente assimilado pelo organismo infantil. Ele possui componentes e mecanismos capazes de proteger a criança de várias doenças. Nenhum outro alimento oferece as características imunológicas do leite humano.

Além disso, a amamentação favorece o vínculo mãe-filho e facilita o desenvolvimento emocional, cognitivo e do sistema nervoso. A Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam que as crianças sejam alimentadas exclusivamente com leite materno nos primeiros seis meses de vida e que, a partir de então, a amamentação seja mantida por dois anos ou mais, juntamente com alimentos complementares adequados.

Se os efeitos imediatos da amamentação sobre a saúde e o desenvolvimento dos bebês já são reconhecidos – oferecendo proteção a doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias, além de reduzir o risco de hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade, os impactos em longo prazo foram revelados por uma pesquisa inédita, realizada por pesquisadores da Universidade de Pelotas, que acompanhou 3,5 mil recém-nascidos durante mais de três décadas. Segundo a publicação, uma criança amamentada por pelo menos um ano obteve, aos trinta anos, quatro pontos a mais de QI e acréscimo de R$ 349 na renda média.

A jornalista Rayssa Tomaz, 26 anos, é mãe de Beatriz, de 2 anos, e de Cecília, de 20 dias, eRayssa e a filha Foto: Arquivo Pessoalamamentou as duas. Durante a gravidez ela cuidou melhor da alimentação e recebeu orientações para se preparar para o momento da amamentação. “Minha filha mais velha precisou tomar complemento nos primeiros dias porque meu leite demorou a descer, mas depois disso foi só alegria. Não tive dores nem inflamação. Sempre tive bastante leite e amamentei até os seis meses dela”, conta.

Vivenciado a maternidade pela segunda vez, Rayssa já notou diferenças entre o comportamento das duas. “A Cecília é mais esfomeada e sempre mantenho a livre demanda. Sinto que ela mama mais vezes e por mais tempo. E desta vez, quero amamentar mais tempo. Até pelo menos ela completar um ano”.

Para as mulheres que estão se preparando para o momento da amamentação, o Blog da Saúde selecionou algumas dicas:

Como preparar os seios?

Durante a gestação, ocorrem modificações naturais (fisiológicas) no organismo da mulher, preparando-a para a fase da amamentação: as mamas ficam maiores, as aréolas (parte escura da mama) tornam-se mais escuras e resistentes pela ação dos hormônios. Se for possível, use sutiã confortável, de alça larga, preferindo o de algodão.

O que não fazer?

Não faça pressão sobre a mama para verificar se está saindo leite. Não utilize cremes e pomadas na parte escura da mama (aréola e mamilo).

A Primeira Mamada:

É indicado que ainda na sala de parto, logo após o nascimento, mãe e bebê entrem em contato pele a pele para oportunizar a amamentação na primeira meia hora de vidanos. É nesse momento, com o contato pele a pele, o toque suave do corpo do bebê sobre o da mãe e em especial sobre o peito, que estimulam na mulher a liberação de um hormônio (ocitocina), começando assim a descida do leite e também a contração uterina.
O leite nos primeiros dias pós-parto é chamado de colostro. Nele, os fatores que protegem contra doenças estão em grande quantidade, funcionando como a primeira vacina para o bebê. Mas é importante destacar que a amamentação não exclui a necessidade da criança receber todas as vacinas indicadas na Caderneta de Saúde da Criança.

O bebê tem hora certa para mamar?

Nos primeiros dias o bebê mama frequentemente. O intervalo entre as mamadas costuma ser curto e irregular, porque o bebê está se adaptando e ainda suga lentamente.
Com a continuação da amamentação, o bebê começa a sugar com maior eficiência, retirando maior volume de leite. Isso fará com que o bebê fique satisfeito por mais tempo e, consequentemente, o intervalo entre as mamadas será maior, seguindo o ritmo de cada criança. Cada uma tem o seu próprio ritmo, e por isso não devemos marcar o tempo de duração da mamada.

Aos poucos a mulher vai conhecendo o seu bebê e percebendo o seu ritmo. Algumas crianças mamam das duas mamas a cada refeição, outras ficam satisfeitas mamando somente de uma. A amamentação deve ser em livre demanda.

O leite do começo é diferente do leite do final da mamada?

Quando a mamada começa, o leite é rico em proteína, lactose, vitamina, minerais, água e muitos fatores de proteção. No final da mamada o leite contém mais gordura e por isso fornece mais energia e permite que o bebê fique satisfeito. Por este motivo é importante que a mamada não seja interrompida, caso contrário o bebê pode mamar pouco do leite do final.

Existe leite fraco?

Não existe leite fraco. Toda mulher produz o leite adequado para o seu filho.

Fonte: Gabriela Rocha/ Blog da Saúde

Fonte: http://www.blog.saude.gov.br

Fonte: Fiocruz

 


Deixe seu comentário